Motivação Policial estilo “Turma do Chaves” – É melhor morrer do que perder a vida

Quando as pessoas sabem que você estuda para ser policial a reação da maioria delas é pedir para que desista, pois é uma profissão muito perigosa e o risco de morte é bem alto.

Ontem conversando com minha esposa lembramos da celebre frase do Chaves da “A turma do Chaves”, em uma das programações ele disse:

“É melhor morrer, do que perder a vida”.  

É uma frase bastante cômica, mas com sentido muito profundo. E nela encontrei a resposta certa para essas pessoas que buscam desencorajar os futuros combatentes.

Sempre que alguém chegar com essas frase de derrotas, diga a eles que é melhor morrer lutando por um sonho, por algo verdadeiro, pelo bem de todos… Diga que quer ser lembrado por ter vivido intensamente seus objetivos e por ter  contribuído para evolução  da sociedade.

Lembrado por ter melhorado a vida em sua cidade e de seus familiares. Lembrado pela coragem e honra. Lembrado por ter vivido uma vida com significado. Não apenas ser lembrado, mas também sentir que faz o melhor  para viver uma vida com propósito.

Quem tem medo de morrer, perde a vida mesmo pensando que vive. Meu maior medo é chegar aos 80 anos e olhar para trás com tristeza por ter vivido uma vida longa e sem sentido. Não tenha medo de lutar pelo seus sonhos, não tenha medo de ser a diferença entre a os “tímidos de coração”.

A vida é assim, ou você constrói sua história ou vai ter que se contentar em contar a história de outros. Quem conta histórias só lembra da conquista, sua motivação é exaltar o campeão (concurseiro aprovado) e menosprezar os que ainda estão treinando para as próximas lutas (provas).

Aquiles no filme Trói diz – que aquele que tem medo de lutar não terá seu nome lembrado na história.  Aquiles está certo, leia os livos de história, quantos nomes de pessoas comuns aparecem? Os livros destacam o nome de pessoas que fizeram a diferença em seu tempo.  Siga em frente, não deixe que o medo dos outros aprisione seus sonhos ou mantenha você preso em uma vida insignificante.

Vamos que vamos guerreiros!